O valor em operações de fusão e aquisição no varejo global em 2015 foi o maior desde 2008, mas o Brasil teve posição irrelevante nesse avanço.