Com ou sem a economia em crise, uma coisa não muda - o tamanho da fila em frente ao Paris 6.