Uma das alterações mais impactantes promovidas pelo novo Código de Processo Civil se refere à autonomia da vontade concedida aos partícipes do litígio