Mesmo na recessão, o empresário terá lucro se atingir o coração do cliente, utilizando dados, tecnologia e atendimento humanizado, diz Hugo Bethlem.