Defendidas pelo varejo, as mudanças nos cartões de crédito e meios de pagamentos anunciadas pelo governo federal ainda são consideradas insuficientes.